O trigo 19 de março de 2014 – Publicado em: Blog

Atualmente o trigo se tornou uma planta ANTIESPIRITUAL, assim com a soja.
O trigo foi modificado no início da era industrial (em torno de 50 anos atrás) e a principal mudança na genética do trigo atual foi o acréscimo de muito mais glúten em sua composição.
A função principal do glúten é bloquear a expansão da Consciência, impedindo o ser humano de acender a dimensões mais sutis (elevadas espiritualmente).

O trigo é o alimento mais utilizado por todas as civilizações, assim como o glúten é uma ótima liga para os pães e massas, sendo muito útil nesse sentido à culinária. Por isso ele foi o primeiro a ser escolhido para ter a mudança genética. O gluten aumenta o apetite, gera aumento das endorfinas e da serotonina causando uma sensação de bem estar e euforia, semelhante ao efeito da cocaína. Sim, o gluten vicia e gera dependência.
São muitos os efeitos nocivos do gluten em nosso organismo, mesmo que não sejamos alérgicos a essa substância, vamos sentindo alguns efeitos, de uma forma lenta e gradativa, e um dia estaremos apresentando vários sintomas desagradáveis, sem mesmo saber que a origem desses desequilíbrios é a ingesta do trigo.

A lactose também gera uma intolerância em todos nós, mas em algumas pessoas, os sintomas são mais óbvios e intensos. Os leites de origem animal não são adequados para serem consumidos por adultos de qualquer espécie animal (Medicina Ayurvedica).

Todas as pessoas que já nasceram com intolerância à lactose ou ao glúten são na verdade indivíduos que possuem um nível de maturidade espiritual muito elevada. Todos esses indivíduos possuem um alto nível de frequência vibracional e por isso naturalmente rejeitam os alimentos que as impedem de manifestar todo o seu potencial nesta dimensão material e de acessar todos os recursos mais elaborados que necessitam para realizar as suas propostas.
É interessante e muito agradável o que sentimos logo nos primeiros dias que retiramos totalmente o gluten de nossa alimentação.

« João de Deus – Abadiânia
Chips ou implantes »